logo
< Voltar

História


De Aleijadinho à Coroa imperial: Os monumentos históricos que foram parar na Justiça



t

São Boaventura, Venerável Duns Scot, Santo Antônio e Santo Tomás de Aquino. Quem planeja uma viagem à histórica Ouro Preto/MG pode conferir o conjunto completo de bustos esculpidos por ninguém menos que Aleijadinho.

Isso porque, recentemente, a Justiça mineira entendeu que o busto de São Boaventura – que um dia foi parar nas mãos de um colecionador em SP - pertence ao acervo da Igreja de São Francisco de Assis e deve ficar em Ouro Preto.

Este caso é apenas um exemplo de quando a Justiça intervém na história.

Longa história...

Tudo começa entre os anos de 1791 e 1812, momento em que Aleijadinho teria concluído as obras. Mas foi em 2008 que as peças foram parar na Justiça.

O MP/MG ajuizou ação civil pública alegando que o busto de São Boaventura foi extraviado - não se sabe quando - do acervo da Igreja de São Francisco de Assis. A obra do século XVIII foi encontrada na casa de um colecionador em São Paulo.

O parquet mineiro pedia a devolução definitiva do busto à cidade de Ouro Preto, além do pagamento de indenização por danos materiais e danos morais coletivos. A obra já estava em Ouro Preto desde 2014, quando o TJ/MG concedeu tutela antecipada em um agravo de instrumento para que a escultura fosse mantida na cidade até o julgamento final da ação.

O desfecho da história chegou em dezembro de 2019, quando a 2ª câmara Cível do TJ/MG, por 4 votos a 1, determinou que o busto ficasse, definitivamente, sob o acervo da Igreja de São Francisco de Assis.

De acordo com o relator, desembargador Caetano Levi, a obra integra o patrimônio histórico de Ouro Preto e “está protegida pelo tombamento da igreja e pelo decreto 22.928, de 1933, que erigiu a cidade à categoria de Monumento Nacional”.

Ele ressaltou, ainda, que, “se a peça encontra-se irregularmente em poder de particulares, revela-se correta a determinação para a sua reintegração ao acervo de origem”. Isso porque, conforme o magistrado, “a obra de arte, que constitui patrimônio público histórico, artístico e cultural do país, integra a categoria de bens fora do comércio e, portanto, não pode ser adquirida por usucapião”.

Veja a íntegra do acórdão.

Monumentos históricos

Quem foi Aleijadinho?

Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, foi um importante escultor, entalhador e arquiteto do Brasil colonial. Como material em suas obras de arte, Aleijadinho utilizou principalmente a pedra-sabão e a madeira. Seu apelido veio de uma doença que o fez perder os movimentos das mãos e dos pés.

Mesmo assim, o artista continuou a trabalhar com os instrumentos amarrados nos punhos!


Coroa imperial

Em outubro de 1933, os jornais noticiaram uma perda e tanto para o Brasil: a coroa imperial – utilizada por D. Pedro I – deixou de fazer parte do patrimônio nacional e foi devolvida à família dos Braganças. A decisão foi do STF em ação movida pelos herdeiros do monarca para reaver a relíquia.

Sob a presidência do então ministro Plínio Casado, o STF entendeu que o artefato valioso é um patrimônio particular do imperador e determinou sua restituição ao então inventariante Americo Mendes de Oliveira Castro.

Desde 1887, a coroa estava depositada em caixa forte no Tesouro Nacional, “era uma lição viva de história”, dizia um dos periódicos.

monumentos históricosCuriosidade

Feita pelo ourives Francisco Gomes da Silva e Debret em 1822, possuía mais de 22 quilates de ouro.

Entre cada um dos escudos da coroa havia uma rosa de brilhante.

(Clique na imagem para ampliar)t

(Clique na imagem para ampliar)t
(Clique na imagem para ampliar)t


Armazém do Cais do Valongo

Em 2018, o MPF ajuizou ação contra a União, a ONG Ação da Cidadania e a Fundação Cultural Palmares requerendo a reintegração de posse do Armazém Central das Docas Pedro II, conhecido como armazém do Cais do Valongo.

O local foi projetado pelo engenheiro negro André Rebouças, no século XIX, sem uso de mão de obra escrava. O edifício é de propriedade da União e, à época da ação, estava ocupado pela ONG Ação Cidadania.

Segundo apurou o MPF, a ONG obteve, no ano de 2016, receita de R$ 1,4 milhão, o equivalente a 83,54% dos seus ingressos, com a locação ilegal do prédio público federal para festas e filmagens, inclusive com o patrocínio de marcas comerciais. O imóvel é de propriedade da União e foi tombado pelo Iphan em 2016.

O parquet pedia em liminar a proibição de locação do espaço para a realização de festas e eventos comerciais, a imediata retomada do imóvel e o cumprimento da obrigação assumida junto à Unesco, ou seja, a instalação do “centro de acolhimento turístico” e do “memorial da celebração da herança africana” no prédio de Docas Pedro II.

Em 2018, o juiz Federal Raphael Nazareth Barbosa, da 20ª vara do RJ, deferiu a liminar e fez uma série de determinações. Dentre elas, que a ONG não alugasse, cedesse ou transferisse o lugar, especialmente para festas e eventos comerciais. Também determinou que a União e a Fundação Palmares providenciassem a segurança permanente e a manutenção adequada do bem.

Hoje o caso está em grau de recurso.

monumentos históricosCais do Valongo

O lugar constitui o principal cais de desembarque de africanos escravizados das Américas, sendo o único que se preservou materialmente. Estima-se que um milhão de escravos entraram no Brasil pelo Cais do Valongo.

Segundo a Unesco, “O Cais do Valongo é um exemplo de sítio histórico sensível, que desperta a memória de eventos traumáticos e dolorosos e que lida com a história de violação de direitos humanos. Portanto, o Cais do Valongo materializa memórias que remetem a aspectos de dor e sobrevivência na história dos antepassados dos afrodescendentes, que hoje totalizam mais da metade da população brasileira e marcam as sociedades de outros países do continente americano".

 

 

 

Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 13 de janeiro de 2020.
ISSN 1983-392X

Fonte: Migalhas - www.migalhas.com.br

Uma equipe sólida
e preparada para os
desafios do dia-a-dia.


Conheça nossa equipe